sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Larga a capa!


Tira a capa e anda …tira-a e diz ao que vens. Larga o silêncio que fala demais e não deixa perceber afinal o que tanto que queres dizer.

Tira a capa, que já faz tempo que a carregas, aqui e agora sem mais demora, anda para que te possa ver melhor e saiba afinal de que te proteges tanto.

Chegou a hora de a despires, com calma, sem medo, com confiança e acima de tudo com toda a vontade de mostrar apenas o que guardas e  não queres que ninguém veja. E no fundo, mesmo agora, ninguém verá a não ser apenas tu e eu!
 
Só para mim, só para nós, aqui e agora, tira a capa.

 

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Taquicardia


Ao palpitar arritmado de um coração louco assim  te escrevo uma carta para que talvez um dia possas lê-la e saber a sensação que causas no meu coração. Escrevo-a e deixo-a debaixo da almofada para o dia em que voltares a deitar-te nesta mesma cama.

Taquicardia diria o médico numa situação normal, que na tentativa entre uns comprimidos e outros talvez passasse. Mas não passou, a medicação não estava correta ou a medição está longe de estar em farmácias ou remédios feitos em casa, a cura está a quilómetros de conseguir alcançar. Assim ponho o meu coração, dentro de uma gaveta para evitar este palpitar que parece que salta corpo fora, que não controlo e que posso acabar por o perder em qualquer virar da esquina. Deixo-o aqui guardado para que ele não cause estragos com a sua arritmia maluca até que eu encontre quem me leve pra lá das fronteiras na procura certa do que ele precisa. Deixo-o aqui protegido de qualquer estrago que possa causar, a ele ou alguém que ao acaso vá a passar.

Por enquanto fica diagnosticado como sendo taquicardia, nos registos médicos, para que saibam que o bater arritmado é o normal do anormal.